Abençoemos aqueles que se preocupam conosco (Chico Xavier)

“Abençoemos aqueles que se preocupam conosco, que nos amam, que nos atendem as necessidades…

Valorizemos o amigo que nos socorre, que se interessa por nós, que nos escreve, que nos telefona para saber como estamos indo… A amizade é uma dádiva de Deus…

Mais tarde, haveremos de sentir falta daqueles que não nos deixam experimentar solidão!”

(Chico Xavier)
Advertisements

Tudo Passará (Emmanuel | Chico Xavier)

 
 
Tudo Passará (Emmanuel | Chico Xavier)

Todas as coisas, na Terra, passam…
Os dias de dificuldades, passarão…
Passarão também os dias de amargura e solidão…
As dores e as lágrimas passarão.
As frustrações que nos fazem chorar… um dia passarão.
A saudade do ser querido que está longe, passará.
Dias de tristeza… Dias de felicidade…
São lições necessárias que, na Terra, passam, deixando no espírito imortal as experiências acumuladas.
Se hoje, para nós, é um desses dias repletos de amargura, paremos um instante.
Elevemos o pensamento ao Alto, e busquemos a voz suave da Mãe amorosa a nos dizer carinhosamente: isso também passará…
E guardemos a certeza, pelas próprias dificuldades já superadas, que não há mal que dure para sempre.
O planeta Terra, semelhante a enorme embarcação, às vezes parece que vai soçobrar diante das turbulências de gigantescas ondas.
Mas isso também passará, porque Jesus está no leme dessa Nau. Segue com o olhar sereno de quem guarda a certeza de que a agitação faz parte do roteiro evolutivo da humanidade, e que um dia também passará…
Ele sabe que a Terra chegará a porto seguro, porque essa é a sua destinação.
Assim, façamos a nossa parte o melhor que pudermos, sem esmorecimento, e confiemos em Deus, aproveitando cada segundo, cada minuto que, por certo…
também passarão…”
” Tudo passa… exceto DEUS!”
Deus é o suficiente!

Emmanuel | Chico Xavier

Oração para não incomodar (André Luiz)

Oração para não incomodar (André Luiz)
Senhor! Concede-me, por misericórdia, o dom de contentar-me com o que tenho, a fim de fazer o melhor que posso.
Ensina-me a executar uma tarefa de cada vez, no campo de minhas obrigações, para que eu não venha a estragar o valor do tempo.
Livra-me da precipitação e da insegurança, de modo que não busque aflições desnecessárias ante o futuro, nem me entregue à inutilidade no presente.
Dá-me a força de esperar com paciência a solução dos problemas que me digam respeito sem tumultuar o caminho dos que me cercam.
Ajuda-me a praticar o esquecimento de mim mesmo, auxiliando-me a fazer pelo menos um benefício aos outros, cada dia, sem contar isso a ninguém.
Se este ou aquele companheiro me aborrece, induze-me a olvidar o que se passou, sem dar conhecimento do assunto aos que me rodeiam.
Ensina-me a não condenar seja quem for e, quando algum apontamento injurioso ou alguma nota de crítica malévola vierem-me à cabeça, ampara-me a fim de que eu tenha recursos de dissipá-los em silêncio, no plano de meus esforços imanifestos.
Impele-me a calar toda queixa, em torno das provas e empecilhos da vida, para que eu não perturbe os que me compartilham a estrada.
Auxilia-me a conservar boa aparência tanto quanto o espírito isento de culpa, a falar com voz calma, a sustentar bons modos e a perder o hábito de impor minhas ideias ou de contradizer as dos outros sem necessidade.
E ajuda-me, Senhor, a viver na obediência aos meus deveres e compromissos, trabalhando e servindo, para não incomodar ninguém.
(André Luiz)

Ingratidão (Joanna de Ângelis)

Causa-te surpresa o fato de ser o teu acusador de agora, o amigo aturdido de ontem, que um dia pediu-te abrigo ao coração gentil e ora não te concede ensejo, sequer, para esclarecimentos. Despertas, espantado, ante a relação de impiedosas queixas que guardava de ti, ele que recebeu, dos teus lábios e da tua paciência, as excelentes lições de bondade e de sabedoria, com as quais cresceu emocional e culturalmente.Percebes, acabrunhado, que as tuas palavras foram, pelo teu amigo, transformadas em relhos com os quais, neste momento, te rasga as carnes da alma, ele, que sempre se refugiou no teu conforto moral.Reprocha-te a conduta, o companheiro que recebeste com carinho, sustentando-lhe a fragilidade e contornando as suas reações de temperamento agressivo.Tornou-se, de um para outro momento, dono da verdade e chama-te mentiroso.Ofereceste-lhe licor estimulante e recebes vinagre de volta.Doaste-lhe coragem para a luta, e retribui-te com o desânimo para que fracasses.Ele pretende as estrelas e empurra-te para o pântano.Repleta-se de amor e descarrega bílis na tua memória, ameaçando-te sem palavras.

*

Não te desalentes!O mundo é impermanente.O afeto de hoje torna-se o adversário de amanhã.As mãos que perfumas e beijas, serão, talvez, as que te esbofetearão, carregadas de urze.

*

Há mais crucificadores do que solidários na via de redenção.Esquecem-se, os homens, do bem recebido, transformando-se em cobradores cruéis, sem possuírem qualquer crédito.Talvez o teu amigo te inveje a paz, a irrestrita confiança em Deus, e, por isto, quer perturbar-te.Persevera, tranqüilo!Ele e isto, esta provação, passarão logo, menos o que és, o que faças.Se erraste, e ele te azorraga, alegra-te, e resgata o teu equívoco.Se estás inocente, credita-lhe as tuas dores atuais, que te aprimoram e te aproximam de Deus.

*

Não lhe guardes rancor.Recorda que foi um amigo, quem traiu e acusou Jesus; outro amigo negou-O, três vezes consecutivas, e os demais amigos fugiram dEle.Quase todos O abandonaram e O censuraram, tributando-Lhe a responsabilidade pelo medo e pelas dores que passaram a experimentar. Todavia, Ele não os censurou, não os abandonou e voltou a buscá-los, inspirá-los e conduzi-los de volta ao reino de Deus, por amá-los em demasia.Assim, não te permitas afligir, nem perturbar pelas acusações do teu amigo, que está enfermo e não sabe, porque a ingratidão, a impiedade e a indiferença são psicopatologias muito graves no organismo social e humano da Terra dos nossos dias.

* * *

Franco, Divaldo Pereira. Da obra: Momentos de Felicidade. Ditado pelo Espírito Joanna de Ângelis. Salvador, BA: LEAL, 1990.

Equilíbrio – XXIII (Sergito de Souza Cavalcanti)

Equilíbrio – XXIII (Sergito de Souza Cavalcanti)


Procure manter o equilíbrio. Sua saúde, depende do equilíbrio e serenidade de sua mente.

Evite aborrecimentos, brigas e contendas que desestruture seu íntimo trazendo-lhe dor, infelicidade e doença.

Se quiser, nenhum problema, situação desagradável, ou pessoa serão capazes de roubar sua paz interior.

Não se impressione demasiadamente com o que as pessoas dizem a seu respeito.

Liberte-se da opinião dos outros como referencial de seu próprio valor. O valor não pode se medido com base no que as outras pessoas pensam de você. Não se torne pior nem melhor do que realmente é, pelo fato de alguém falar bem ou mal de você.

Siga a conduta ditada por sua consciência e não perca seu equilíbrio pela inveja, maldade ou calúnia arremessada contra sua pessoa.

Somente aqueles que conservam a serenidade em meio a ignorância, incompreensão e o tumulto da vida moderna conseguem manter-se saudáveis.

Caminhe em frente, alegre e certo de que haverá de vencer, por maiores que sejam as dificuldades do caminho. E nunca esqueça de que sua vitória depende de você. Se perseverar no bem, amando e servindo a todos, perdoando e lutando por sua reforma, e por aqueles que hoje lhe criticam, amanhã com certeza estarão lhe aplaudindo.

A felicidade que almeja não está fora de você. É necessário que a busque dentro de si mesmo, pois a felicidade é Deus, e Deus habita em nós.



O Significado do Sofrimento – XV (Sergito de Souza Cavalcanti)

O Significado do Sofrimento – XV (Sergito de Souza Cavalcanti)

Seja forte e corajoso. Não se deixe vencer pela dor, pelas dificuldades, pela doença. Procure entender o significado dos seus sofrimentos. Nunca se esqueça que é filho de Deus e Ele não desampara nenhum de seus filhos.

Nossas dores, nossos tropeços, erros e problemas, no fundo são os maiores agentes de nosso progresso. São testes que a Divina Providência coloca em nosso caminho para aquilatar nossa capacidade de paciência e resignação.

Bendiga, suas dificuldades. Através delas, aprendemos, esclarecemos e aumentamos nossa fé em Deus.

Ninguém progride sem luta, sem sofrimento, sem resignação.

O sofrimento é útil, bendito um elemento absolutamente necessário para nossa evolução. Se não existisse a dor, nosso progresso seria infinitamente mais lento.

Francisco de Assis sempre se referia a dor como sua irmãzinha querida, porque sabia do seu poder e utilidade. Paulo de Tarso sempre se referia em suas cartas aos aguilhões que o machucavam e o faziam sofrer, mas como Francisco de Assis entendia sua dor, e podia dizer inspirado: “Transbordo de júbilo no meio de todas as minhas atribulações” (II Co. 7:4)

Somos os comandantes de nossas vidas, por isso Deus nos dotou do livre arbítrio e nossa evolução é uma conquista. A dor faz parte do processo de crescimento.

Nossos erros, dificuldades, dores e provações não são eternas, mas passageiras. Eterna será, com certeza, a felicidade que nos aguarda.

Fonte: http://www.espirito.org.br/portal/publicacoes/sandalo/sandalo-15.html

Mudando de Rumo – LXXXVIII (Sergito de Souza Cavalcanti)


Mudando de Rumo – LXXXVIII (Sergito de Souza Cavalcanti)
Vivemos em meio a muitas dificuldades. Há muitas pessoas enfermas dos nervos, do estômago, do fígado e de inúmeras outras patologias.
Aflições, dores e amarguras nos cercam por todos os lados. Dores físicas e morais nos assolam constantemente. Todos, neste mundo de provas e expiações, sofrem. O sofrimento é conseqüência da atitude mental e aflitiva que adotamos frente aos problemas que nos afligem. O mal e o bem estão em nossos pensamentos. Se soubéssemos que a maioria de nossas doenças advém desses estados mentais mórbidos e pessimistas, tentaríamos uma mudança de atitudes. Se ao invés de culparmos nossos pais, parentes ou amigos por nossos problemas e nos conscientizássemos de que somos os grandes culpados por tudo que nos acontece, certamente estaríamos melhores. O certo é que ninguém nos poderá fazer infelizes, sem nosso consentimento. Temos em mãos o comando da nossa vida de nossos atos e atitudes. Se quisermos podemos mudar o destino mudando nossa vida e nossa maneira de pensar.
Se os outros podem, nós podemos também. Quantas pessoas tristes deprimidas e infelizes conseguiram superar suas atribulações através do querer, da mudança de rumos e de atitudes?
O grande Platão dizia que: “Os grandes nos parecem muito grandes porque nós os observamos de joelhos.”
Quando uma criatura humana está imbuída de um forte desejo de mudança, tudo lhe será possível e viável.
Mudança de atitudes é opção pessoal e independe das pessoas que nos cercam. A felicidade está sempre ao nosso alcance, bastando apenas nosso esforço e determinação para conseguí-la. Felicidade é luta, conquista e muito esforço próprio.
Aquele que tem fé deposita sua confiança em Deus mais do que em si mesmo, pois sabe que é um simples instrumento da vontade de Deus e nada pode sem ele.
Por isso, o apóstolo Paulo gostava de dizer: “Tudo podemos naquele que nos conforta” (Fp 4:13). Nada é pois impossível ao homem que crê.
O desejo ardente, a confiança e a fé são forças infalíveis. Na maioria das vezes foram nós mesmos quando no mundo espiritual que escolhemos nossas provações atuais. Na condição de encarnados infelizmente só podemos ver uma face da moeda. A fé é, o remédio certo para o sofrimento. Quem duvida é logo possuído pela aflição. A fé se diz da confiança que se tem no cumprimento de um compromisso assumido, da certeza de se atingir um fim, uma meta. Fé é certeza intuitiva da existência de Deus.
Entendamos de uma vez por todas que as circunstâncias que nos cercam, mesmo as mais ásperas, são a vontade do Criador em nosso favor.
Nenhum pai dá um escorpião a um filho que pede pão.
Não cai uma folha de uma árvore sem a vontade de nosso Pai Celestial.
Somos filhos de Deus e portanto filhos do amor. Precisamos mudar destruindo a ignorância que existe em nós e se queremos melhorar nosso Pai nos apoiará.
“Tudo é possível ao homem que crê” (Mc 9:25)