Respostas Precisas (Martha Medeiros)

Quem é você?
Do que você gosta?
Em que acredita?
O que deseja?

Dia e noite somos questionados e as respostas costuma ser inteligentes, espirituosas e decentes.
Tudo para causar a melhor impressão aos nossos inquisidores.

Ora, quem sou eu!

Sou do bem, sou honesto, sou perseverante, sou bem-humorado, sou aberto – não costumamos economizar atributos quando se trata da nossa própria descrição.

Do que gostamos?
De coisas belas.
No que acreditamos?
Em dias melhores.
O que desejamos?
A Paz Universal.

Enquanto isso, o demônio dentro de nós, revira o estômago e faz cara de nojo.

É muita santidade para um pobre-diabo, ninguém é tão imaculado assim!

A despeito do nosso inegável talento como divulgadores de nós mesmos e da nossa falta de modéstia ao descrever nosso perfil no Orkut, a verdade é que o que dizemos, não tem tanta importância.

Para saber quem somos, baste que se observe o que fizemos da nossa vida.
Os fatos revelam tudo, as atitudes confirman.

O que você diz – com todo respeito – é apenas o que você diz!
Quantos amigos você manteve?
Em que consiste sua trajetória amorosa?
Como educou seus filhos?
Quanto houve de alegria no seu cotidiano?
Se ficou devendo dinheiro.
Como lidou com tentativas de corrupção?
Em que circunstâncias mentiu?

Como tratou empregados, balconistas, porteiros, garçons?

Que impressão causou nos outros – não naqueles que o conheceram por cinco dias, mas com quem conviveu por vinte anos, ou mais?
Quantas pessoas magoou na vida?
Quantas vezes pediu perdão?
Quem vai sentir sua falta?
Pra valer! Vamos lá!

Podemos maquiar algumas respostas ou podemos silenciar sobre o que não queremos que venha à tona.
Inútil.
A soma dos nosos dias assinará este inventário.
Fará um levantamento honesto.

Cazuza já nos cutucava: “… suas idéias correspondem aos fatos?”

De novo: o que a gente diz, é apenas o que a gente diz.

Lá no finalzinho da vida que construímos é que se revelará o mais eficiente detector de mentiras.

Entre a data do nosso nascimento e a desconhecida data da nossa morte, acreditamos ainda estar no meio do percurso, então seguimos nos anunciando como bons partidos, incrementamos nossas façanhas, abusamos da retórica como se ela fosse uma espécie de photoshop que pudesse sumir com nossos defeitos.

Mas é na reta final que nosso passado nos calará e responderá por nós.

Martha Medeiros

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s